sábado, 22 de fevereiro de 2014

Heir of Novron - 3° de Riyria Revelations

Não sei o que dizer. Realmente não sei o que dizer. Não preciso dizer que minhas expectativas estavam altas. Eu já falei isso para vocês. E é um livro de Mike, raios. Ele já virou sinônimo de must-read e mais que perfeito faz tempo. Vocês sabem, não sabem? Eu espero que vocês saibam. Mas não posso cobrar isso de vocês. Por mais que eu esperasse muito do livro eu não esperava isso... Haha, eu ainda estou fora de área. 
Terminei-o ontem de cinco e alguma coisa e alguma coisa e minha cabeça ainda tá lá. É sempre meio deprimente, não? Chegar ao fim de uma série que você adora. Todos sabem  do que falo. Independentemente do que acontece é sempre uma experiência melancólica--- E pelo que eu estou vendo estou escrevendo como se tivesse voltado de um enterro. Que lindo, Caroline, impressão errada... E não deve ser nem a primeira vez--- nem a segunda. Bom. Deixe-me ver---
Seja melancólico quanto for eu, nós leitores, temos um problema. Eu sempre sei minha reação mas continuo  ignorando-a ou esquecendo. Sempre troco a saudade de semanas ou meses e as vezes mais tempo pela plena e ingênua felicidade de alguns dias--- Se isso não for um problema, por favor me diga o que é.
E eu gostaria, como eu gostaria, que todos os livros que eu lesse possuíssem metade do encanto, metade da beleza, metade do teor épico que esse livro possui. Que me submetesse a metade do que eu senti--- Sim, doí. Eu sei. Porém os três dias que passei lendo sem parar esse livro... Eu vivi. 
Minha respiração se acelerou diversas vezes nas batalhas gráficas e memoráveis. Meus olhos se encheram d'água da beleza, do horror de algumas cenas ou só de pura simpatia pela perda ou pela felicidade deles. Amei de forma única e singular cada um deles (mas claro, claro que tenho meus favoritos, claro). Me arrepiei de emoção em várias cenas de descrição da guerra ou em certas  cenas críticas, na qual tudo parecia perdido. Ri, porque, vocês sabem, Hadrian e Royce estavam em cena e também porque eu sou do mau e adorei ver certos personagens baterem as botas ou aqueles argumentos brilhantes... Vocês os conhecem.
E meu Deu--- deuses que enredo fantástico!
Eu sei, a cada livro eu o elogio. O problema, o problema é que a cada livro ele se expande, ele melhora, ele me fascina mais e mais. Ele é tão complexo--- e simples. Ele foi maestrado de forma tão brilhante... E o final encaixa de forma perfeita, como uma luva. É lindo, é perfeito. É... Desculpa. Desculpa pela repetição de palavras. Sério. O problema ( de novo o problema) é que elas me faltam. Ainda estou deslumbrada e sob o efeito do livro.
A jornada para Percepliquis é épica. Empolgante. Tantas coisas aconteceram lá. Tantas lutas... Tantas revelações... As emoções pipocaram por lá--- quebraram o limite... Sem falar no pouco tempo que eles tem para completar a missão, o que nos é sempre lembrado... Estou só falando da segunda parte ( ou sexta se você for daqueles que conta os livros individualmente).  E a primeira? E aquela pressão toda com a  chegada do Wintertide?  E com as palavras de Esrahaddon  nos voltando sempre? E o ódio que você sente por Saldur? e a ascensão de Modina? Nossa é fantástico. A cada página que você vira é surpreendido e embasbacado com cada cena... Algo que desde Roubo de Epadas me chamou a atenção foi a mitologia. Ela é tão presente nesse livro foi a mitologia, nesse livro mais ainda e eu adoro ver a fé das pessoas no seu deus.
E nunca jamais me cansarei de me admirar com a escrita e as descrições de Mike. Eles estavam mais magnificas do que de costume nesse volume. Eu poderia muito bem estar vendo um cartão postal de Percipliquis.
Um livro, já sabemos, nunca passa ao patamar de "bom livro" sem os personagens. E vocês já devem estar cansados de ouvir o quanto eu amo esse personagens... Hadrian, Arista, Royce e agora Myron... Eles passam por tanta coisa, tanta coisa ruim... Principalmente Royce e Arista. O arco deles se completa nesse livro. Só isso que tenho a dizer. Façam o que quiser com essa informação. E ao terminar o livro eu não poderia ama-los mais. Preparem-se vocês os verão quebrar até quase o irreparável. 
Claro, também somos apresentados a alguns personagens novos e conhecemos outros mais a fundo, como Degan Gaunt. Ódio a primeira vista, eu e esse cara.
Comecei a gostar muito de Modina nesse livro. Minha simpatia para com Amilia cresceu... E é impossível não gostar de Sir Becktron e de Nimbus.
Eu já disse e vou falar de novo. O final é o encaixe perfeito para a série. É aquele típico final que lhe deixa melancólico porque você sabe que as coisas, os planejamentos para o futuro... Tudo isso vai continuar sem você. Ele também carrega um toque de magia e mistério, é algo pouco comum para um final e é a pura verdade e foi perfeito, só consigo dizer que foi perfeito. Minha única consolação agora é saber que Mike escreveu e continua uma outra série chamada Riyria Chronicles que é um prequel de Riyria Revelations, nos contando as aventuras de Hadrian e Royce que lhe touxeram fama. Mesmo assim, eu não verei Arista novamente... Só em releituras. Sim no plural. Agora ainda não, mas sei que no futuro relerei. E vocês, leitores, se ainda não leram Roubo de Espadas lançado no começo do ano passado pela Record, leiam. Vocês merecem. Vocês merecem ler um livro assim,  uma série assim. Que cresce, melhora a cada livro, que você carregará para sempre num lugar especial no seu coração. Leia. Você merece.

Os regentes já arquitetaram tudo. 
O apogeu das celebrações de Wintertide seria a dupla execução de Arista Essedon, a bruxa de Melengar e de Degan Gaunt, o Herdeiro de Novron. E só dois ladrões estão no caminho para que isso aconteça... Tá. Agora talvez só um.
Hadrian, flagrado pelos Sentinelas aos arredores do palácio, se vê aprisionado por um pacto de última opção com Saldur. Matar Sir Becktron no torneio e deixar o palácio com Arista e Gaunt ou ser executado no Wintertide junto com eles. Não é como se Hadrian tivesse muita escolha... E não é como se Saldur tivesse fama de cumprir suas promessas. Só algumas semana para o Wintertide, e tudo será resolvido. Para um lado ou para o outro, para o bem ou para o mal, algo irá acontece. E o mundo jamais será o mesmo depois disso. 

                                                                         ***

Obs: terminei o livro no final do domingo passado e a postagem foi escrita na segunda.
Obs2: o segundo livro da série " O Nascimento do Império" será lançado aqui em algum momento na metade do ano.    

Nenhum comentário: