domingo, 1 de junho de 2014

The Winner's Curse - 1° de The Winner's Curse

É sério, eu só comprei mesmo esse livro porque eu fiquei impressionada com os loucos elogios que ele recebeu dos blogs americanos que sigo, antes mesmo de ser lançado.
Eu não sabia o que esperar desse livro, nunca havia ouvido falar da autora antes. Eu só posso dizer que não esperava isso. Eu comecei a lê-lo inocentemente, ele até mesmo começa  inocente, mas essa situação muda pouco depois do primeiro capítulo.
Você conhece aquele livro que você simplesmente não consegue parar de ler? Aquele que você fica tão envolvido com a trama, com os personagens, no universo do autor que mesmo enquanto lê você quase surta de curiosidade? Aqueles que você não consegue se convencer a fazer mais nada a não ser ler? É. Esse é um desses. Eu estava perdida dentro do livro e foi preciso uma imensa força de vontade para me lembrar que eu precisava parar e , sim, precisava estudar para as provas.
Achei imensamente criativo e original o mundo criado por Marie. Um império, orgulhoso e escravocrata ( por guerra) .
Eu adorei Kestrel e como ela era simplesmente genial. Muito observativa, estratégica e ao mesmo tempo emotiva e artística, ela é várias coisas que as vezes não vemos juntas num personagem. Através da história vemos ela resolver várias coisas só com esperteza e elas são gratificantes e excitantes de se presenciar.
Temos também Arin e --- ele ( também) é incrível. Ele é tão inteligente e observador quanto Kestrel... E ele realmente a entende, consegue adivinhar seus pensamentos ( ou o rumo deles) e ler suas expressões. É muito Empolgante ver a relação deles crescer ao poucos aos trancos e barrancos. ( Preciso admitir que ainda mais sendo proibido) é empolgante ver aquelas "visitas" de Arin ao mercado--- Sempre deixa você com mais perguntas, " O que ela vai pensar disso?", "Será que isso vai acontecer mesmo?" e, o principal, "Como?", isso só para nomear algumas sem spoliers.
Temos um vislumbre dos nobres ( que como toda nobreza/corte) são superficiais e corruptos e você já fica com raiva deles  e quer que todos se ferrem.
Claro, temos os personagens secundários como o General  Trojan ( o pai de Kestrel), Enai (sua ex-babá) e Jess e Ronan, os dois irmãos que são os melhores amigos de Kestrel.
Eu, sendo sincera, não gostei muito de Jess, mas até mesmo o porque dela e Kestrel serem amigas faz sentido... Kestrel pensa/analisa demais Jess não tem um preocupação maior que as fofocas novas e que roupa vestir para o próximo evento social... Ela é aquela pessoa que tira as preocupações e o excesso de pensamentos da cabeça de Kestrel. E Ronan é o irmão de Jess. Ele é um personagem até agradável, sabe? O papel, digamos assim, dele que não me fez ganhar mais simpatia para com ele.
A impressão que tive ao ler The Winner's Curse foi de assistir um brilhante jogo de xadrez se desenrolar na minha frente. Cada movimento repercutia numa reação e cada coisa havia motivo e consequência.
Os dilemas enfrentados por Kestrel e Arin são de fato cruéis. Permitir que seu povo via bem, no comando das coisas e que o povo do outro sofra. Seu povo ou o seu amor? Porque com aquelas pessoazinhas miseráveis não tem meio termo, não.
Marie... Aquele final... POXA! Ele é tão angustiante. Nossa... Você tem vontade de ficar batendo sua cabeça na parede e gritando para céus e infernos ouvirem "PORQUE? MAS PORQUE?" 
Aquela decisão de Kestrel foi algo... Que nem todo mundo faria... E aquela frase final... Eu me arrepiei dos pés a cabeça.
Apesar de a capa de Winner's Curse nos passar uma impressão totalmente equivocada do livro, por favor, não o julgue por ela. Esse livro é tudo menos um melodrama cheio de frufrus. E ele é um dos meus favoritos, que, por certo, fará uma aparição no meu  TOP 10 de 2014. Então, leiam. Não me questionem mais, minha coerência e capacidade argumentativa acabou. Leiam, só leiam.

Kestrel é filha do General Trojan, um importante militar que foi uma figura fundamental para a guerra há 24 anos contra os Herrani para conquistar a península.
Em breve, Kestrel terá de escolher, se alistar ao exército ou casar. Mas Kestrel gostaria de fazer algo diferente com sua vida. Com uma paixão por música que lhe garante olhares estranhos de sua sociedade que acha música e qualquer outra coisa artística "coisa de escravo" e sem ninguém com quem ela pudesse compartilhar, num ato impulsivo, ela compra um escravo quando o leiloeiro disse que ele sabia cantar, por um preço absurdo o bastante para todos os olhares recaírem sobre ela.
Mas ela não podia adivinhar o que comprar Arin causaria e as mudanças que ocorreriam em sua vida. E a medida que Kestrel começa a se apaixonar por Arin estranhos eventos tomam partido na cidade, mas eles só podem ser coincidência... certo? Esse era o pior dos momentos para se apaixonar por um Herrani quando uma conspiração começa a tomar forma e Arin pode ou não está muito envolvido nela. 

2 comentários:

Antonio Alves disse...

Ótima Resenha Carol, deu até vontade de ler o livro, pena que no curso de Direito já tenho material suficiente de leitura e fica difícil ler algo a mais apesar de eu estar tentando.
Porém, dei uma rápida olhada e não pude deixar de notar a falta de um dos meus escritores favoritos J.R.R.Tolkien, acho que você já deve ter ouvido falar dele né?
Se ainda não leu nenhum livro dele, a dica que eu daria é começar pelo O Hobbit, talvez não faça seu estilo de leitura ( é até bem simples e rápido de se ler) mas é uma obra introdutória para O Senhor Dos Anéis que é justamente um dos meus livros favoritos!
Fica a dica do primo,
abraços.

Juliana Pires disse...

Eu tenho visto várias resenhas positivas desse livro, e estou super curiosa para conhecer a história. Tenho uma queda por capas lindas, e essa é maravilhosa. Quero muito ler esse livro.

Bjs